17 setembro 2015

Essa sou eu

Para muitos a vida tem um modo de ser fácil, não se sabe porque, alguns são selecionados para ser todo contrário. Não sei porque, ou por quem, mas fui uma dessas escolhidas... Existe em mim um grande peso, sempre houve, desde pequena tive dificuldade com as pessoas, era e foi ficando cada vez mais difícil de sair de casa, amizades são reservadas para quem dedica um tempo para entender os meus “porquês”, os meus medos e os meus desesperos. 
Depois que perdi as pessoas mais delicadas da minha vida, minha rainha, minha mãe, minhas avós, eu me perdi dentro de mim. Lembro de uma vez, aos meus onze anos, havia pouco tempo que minha mãe falecera, o professor fez uma roda com os alunos e perguntou qual era o nosso maior medo, muitos responderam coisas entre leão e morte, eu simplesmente olhei para o professor e falei “o meu único medo é a solidão”, consigo ainda sentir o silencio que houve na sala e o peso do sentimento de cada um. 
Eu soube depois que aquele professor tinha perdido um filho de 7 anos para um Câncer e que ficou em depressão trancado em casa por mais de um ano e estava voltando a lecionar agora, soube naquele momento também que ele me entenderia. Levei muito tempo para entender o que acontecia comigo, o peso que vinha do nada e me tirava até a vontade de respirar, a maior dificuldade foi com meu pai e minha irmã que não sabia como lidar com isso, tivemos tensos episódios de tentativa de suicídio até que aprendi a viver com meu problema. 
Hoje eu abraço minha escuridão como se fosse uma velha amiga, pois é isso que ela é. Perdi muitos amigos, muitas oportunidades de amores eternos, pessoas que não foram capazes de entender, substitui todas por livros, muitos livros e blogs, músicas e tudo o que poderia me fazer o bem que eles não fizeram. 
Aprendi a viver com meu maior medo, é um motivo de orgulho para mim, não precisei de medicamentos ou um médico me dizendo coisas que eu não escutaria. Eu simplesmente vivo cada crise, abraço meu escuro interno e namoro minha solidão, que se tornou minha amada companheira. 

Meu nome é Viviane Fachini, estou prestes a fazer 19 anos e tenho uma longa jornada para aprender ainda.

- Viviane Fachini

Nenhum comentário:

Postar um comentário